Paralisia facial de Bell, saiba mais sobre isso !

Paralisia facial de Bell, saiba mais sobre isso !

Olá, você já ouviu falar na paralisia de Bell? Sou a Dra. Lineia Torres, sua dentista de confiança, hoje vou abordar esse assunto, vamos lá?

Definição:

            A paralisia de Bell é um distúrbio de instalação repentina, sem causa aparente, marcado pelo enfraquecimento ou paralisia dos músculos de um dos lados do rosto. Ela se instala em virtude de uma reação inflamatória envolvendo o nervo facial (sétimo par dos nervos cranianos), que incha e fica comprimido dentro de um estreito canal ósseo localizado atrás da orelha.

Sinais e sintomas da paralisia facial

         A pessoa apresenta dificuldade, em maior ou menor grau, para realizar movimentos simples, como franzir a testa, erguer a sobrancelha, piscar ou fechar os olhos, sorrir e mostrar os dentes, pois a boca se move apenas no lado do rosto não paralisado.

Ocorrência:

      A paralisia facial periférica pode acometer homens e mulheres de qualquer idade. A incidência costuma ser maior depois dos 40 anos e pouco comum na infância e na adolescência.

Fatores de risco:

 Ao que tudo indica, os casos se tornam mais frequentes em pessoas com história familiar da doença (predisposição genética), durante o terceiro trimestre da gravidez e na primeira semana após o parto, nos portadores de diabetes e de infecções respiratórias, como gripes e resfriados

Causas:

          Os estudos sugerem que o quadro pode estar correlacionado com:

  1. Uma infecção por bactérias (doença de Lyme) ou
  2. Vírus que atingem o nervo facial, tais como o vírus do herpes simples (labial e genital),
  3.  E do herpes zoster (catapora/varicela),
  4. O Epstein-barr (mononucleose),
  5. citomegalovírus,
  6. O adenovírus e
  7. Os vírus da rubéola e
  8. Da gripe.
  9. Estresse,
  10. Fadiga extrema,
  11. Mudanças bruscas de temperatura,
  12. Baixa da imunidade,
  13. Tumores e traumas, distúrbios na glândula parótida,
  14.  Otite média podem também estar envolvidos no aparecimento da doença.

Sintomas:

Dor nas proximidades da orelha e na mandíbula,

Comprometimento do paladar em parte da língua,

Incapacidade para fechar o olho, erguer a sobrancelha ou franzir um lado da testa,

 Hipersensibilidade auditiva (hiperacusia),

Dor de cabeça e de ouvido,

 Menor produção de lágrimas (olho seco) e de saliva (boca seca), ou lacrimejamento e salivação abundantes.

  Flacidez facial responsável pela dificuldade para soprar, assobiar e conter líquidos dentro da boca

Diagnostico:

         O diagnóstico baseia-se na avaliação clínica e neurológica do paciente, quando necessário, a eletroneuromiografia é um exame útil para estimar a gravidade das lesões do sistema nervoso periférico e registrar a atividade elétrica dos nervos e músculos envolvidos, tomografia e ressonância magnética

Tratamento:

      O tratamento da paralisia facial geralmente envolve reabilitação com fisioterapia e fonoaudiologia para impedir que os músculos se contraiam de forma permanente.

    Os cuidados oftalmológicos também merecem atenção especial ,como os músculos das pálpebras podem ser afetados, a pessoa tende a ter dificuldade em piscar e lubrificar os olhos, colírios específicos costumam ser receitados pelo médico.

           O uso de corticoides e antivirais está baseado na hipótese da fisiopatologia da doença ser causada pela presença do vírus herpes simples tipo 1, gerando inflamação e edema no nervo facial, com consequente disfunção do mesmo.

          Gostaram dessas dicas? Se sim, compartilhe, curta, comente, seja um multiplicador de informações positivas e confiáveis.

Um grande abraço, até a próxima postagem…

Dra.Lineia Torres Barros

CRO 1379  odontoarch

86 3227 1661

86 99977 6892

 @odontoarchdra.lineia

www.odontoarch.com.br

Deixe um comentário

ESTAMOS NO YOUTUBE