Quais os riscos de um paciente com insuficiência renal crônica na clínica odontológica?

Quais os riscos de um paciente com insuficiência renal crônica na clínica odontológica?

Quais os riscos de um paciente com insuficiência renal crônica na clínica odontológica?

Sou a Dra. Lineia Torres, sua dentista de confiança, vamos conversar sobre isso?

                 A saúde bucal deles precisa de mais cuidados, uma vez que são potenciais candidatos à realização de um transplante renal, o qual pode ter seu sucesso comprometido pela presença de focos infecciosos não controlados. A equipe multidisciplinar que atende o paciente transplantado renal deve ter a participação do cirurgião dentista, uma vez que este colabora para diminuir as comorbidades relacionadas as infecções oportunistas, aumentando a sobrevida do órgão transplantado.

        Perda das funções regulatória e excretória dos rins causa manifestações orais e múltiplas complicações os quais têm implicações no tratamento odontológico

      Como manifestações bucais, são frequentes:

 A xerostomia,

 Halitose,

Estomatite urêmica,

Lesões ósseas e

 Maior formação de tártaro

Palidez da mucosa oral,

 Hipoplasia de esmalte,

Inflamação gengival ,

 Aumento gengival,

Perda de inserção e estreitamento da câmara pulpar

 Baixa prevalência de cárie,

  Odor urêmico,

 Mudanças no paladar

              O hemograma revela anemia normocítica e normocrômica como resultado da redução na produção de eritropoetina (hormônio responsável pela produção de células vermelhas) pelos rim.

            O sangramento pode ser um problema significativo, sendo caracterizado por uma tendência à hemorragia prolongada e pela formação de hematomas facilmente.

         Pacientes com insuficiência renal significativa podem ser incapazes de eliminar do sangue o anestésico local original ou seus principais metabólitos, resultando em um ligeiro aumento dos níveis sangüíneos desse composto e um aumento no potencial de toxicidade. Isso pode ocorrer tanto com ésteres quanto com amidas, e é especialmente provável com a cocaína. Portanto, doenças renais significativas (ASA IV ou V) representam uma contra-indicação relativa à administração de anestésicos locais. Isso inclui os pacientes que se submetem à diálise e aqueles com glomerulonefrite ou pielonefrite crônica.

      Quando for necessário o uso de medicação antibiótica, analgésica ou anti-inflamatória, devem ser usados drogas com metabolização hepática.

        Amoxicilina, eritromicina, clindamicina e o metronidazol podem ser usados com precaução. As tetraciclinicas e os aminoglicosídeos estão contra-indicados na presença de doença renal.

         Analgésicos, como paracetamol e ácido acetilsalicílico, podem ser utilizados com segurança em doses baixas a moderadas.

      AINEs devem ser evitados devido à retenção de fluidos e sódio na vigência de alterações circulatórias mais graves.

             Analgésicos de ação central podem ser utilizados com segurança, desde que tenha o seu metabolismo realizado no fígado.

       Gostou dessas dicas? Se foi útil para você, comente, compartilhe, vamos divulgar informação de valor e confiável…Um grande abraço, até breve…

Dra. Lineia Torres
cirurgiã dentista CRO 1379
   Odontoarch


fone 086 3227 1661
86 999977 6892 wz

 http:// www.odontoarch.com.br

Deixe um comentário

ESTAMOS NO YOUTUBE